Dúvida na escolha e forma de partições para instalação

TropicalBRTropicalBR TropicalBR
editado março de 2010 em Instalação e Atualizações
Olá

Arranjei um CD do Linux Mint Gnome 8 com
um amigo meu. Ele me disse que já vem com
codecs, flash, multimídia, todos os plugins
no navegador firefox e os programas são bons
Ele disse que sai do windows e passa para
ele quase sempre mas não gosta de jogar nele
porque diz que os jogos que ele quer não tem
no Linux.Nas demais coisas diz que é nota Dez
Só que eu não entendi como ele instalou este
Linux Mint e se lembro, daquele jeito eu não
quero. Acho que ele me disse que ele na tela
já dá tamanho automático para instalar e só
seguir em frente que no final ele deixa menu
de entrada para Windows e Linux

Eu usei o cd somente pelo drive de dvdrom e
e gostei mesmo porque além de tudo ele é mais
bonito que o Windows. Fui tentar a instalação
no entanto aquela forma automática eu não quero
Marquei para instalar no lugar de uma fat32 que
eu não uso porque tenho outra grande. Não sei
o que eu escolho ext2/3/4/reiser e ainda parece
que tem que fazer partição swap. Qual escolho?
desta acima? Quanto de megas para a partição
swap e quanto para outra ext2/3/4 ???
Tenho 62mg de fat32 que vou apagar para colocar
o Linux Mint 8 Gnome. Poxa ele é lindão mesmo

O linux Mint instala o driver da placa de vídeo
nvidia ge force 8 gs? Quando o cd do Linux Mint foi
iniciado pelo drive de dvdrom apareceu um ícone
de drivers de hardware disponíveis ??

Também apareceu um ícone na barra para atualizar
o sistema. Isso eu acho dever ser feito depois
da instalação.


Agradeço desde já se algum de vocês me der umas
dicas.

Obrigado
·

Comentários

  • araujoaraujo Araujo
    editado março de 2010
    Olá TropicalBR, no Linux tens que criar apenas duas partições: a raiz / e a swap.

    A partição recomendada é a ext4 por ser a mais atual e por permitir melhor gerenciamento do sistema de arquivos. Mas nada impede de instalar um outro sistema como Ext 2/3, Reiserfs, Xfs, Zfs, etc.

    Como seu amigo mesmo disse o Mint divide a partição e instala ao lado do Windows automáticamente. Se mais tarde vc gostar e quiser usar somente o Mint poderá usar a partição do Windows para o diretório /home ou um diretório de backup. ;-)

    O Mint já vem com vários drivers proprietários e diversos codecs. O único problema que terás é modificar o papel de parede, cores e tipo de janelas a seu gosto. :-)
    ·
  • araujoaraujo Araujo
    editado abril de 2010
    Como o amigo Dianor mencionou os dois são muito bons o RipperX e o Grip. Eu prefiro o Grip pela simplicidade de uso. Seja bem-vindo ao mundo Linux.
    ·
  • linuzmaniclinuzmanic Linuz
    editado abril de 2010
    Minhas partições ficaram assim;

    1-partição primaria sistema=windows 50GB

    2-partição primária=LinuxMint 40GB

    3-Partiçãoestendida=60GB distribuido em 3 partes

    4-partição lógica=30GB /home separado da raiz LinuxMint

    5-partição lógica=30gb dados ntfs para windows

    6-partição lógica=400MB /swap


    Ufa...espero tão cedo mexer com isto de novo.... e achei o gparted mil vezes melhor que o particionador do Rwindows




    Se estiver algo errado me corrijam por favor


    abçs
    ·
  • araujoaraujo Araujo
    editado abril de 2010
    Para instalar o grip teremos que compilar o programa. Mas não tenha medo parece complicado, mas é simples. Abra o terminal e digite:

    wget http://downloads.sourceforge.net/project/grip/grip/3.2.0/grip-3.2.0.tar.gz

    Depois descompacte com o comando:

    tar -xzvf grip-3.2.0.tar.gz

    cd grip-3.2.0

    sudo apt-get install gcc libgnomeui-dev libvte-dev libcurl3-dev

    ,/configure
    make
    sudo make install
    ·
  • arleiarlei Arlei
    editado abril de 2010
    Uma sistemática interessante que usava ainda no época do bom e velho LILO era deixar uma partição no inicio do disco para montar o /boot.

    Dessa forma, na época como todas distros usavam quase sempre o mesmo boot manager (LILO), fazendo assim era fácil administrar as várias distribuições que poderia ter instalado, configurando todas da mesma forma, ou seja, usar a mesma partição de boot.

    Era uma mão na roda, principalmente quando tinha updates de kernel. Lembro que depois com a vinda e popularização do Grub nunca usei mais desse procedimento, mas deve funcionar se todas distros instaladas usarem a mesma versão dele.

    Nota: Ainda uso e testo inúmeras distribuições, mas hoje com as facilidades da virtualização é desse recurso que uso.

    T+
    Arlei
    ·
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.